29 de jul de 2011

Escolha sua Raquete!

Por Marco Antônio Vecchia
28/07/2011

Olá amigos seguidores do blog da SLAMTENNIS! Mais uma vez estou aqui com vocês para falar um pouco mais sobre assuntos relacionados ao tênis! Gostaria de agradecer a todas as pessoas que visitam o site diariamente e podem ter certeza de que estamos aprimorando a cada dia para atender a todos no que mais precisam.

Nessa postagem vou falar um pouco sobre as raquetes de tênis. Durante as últimas semanas, muitos alunos me perguntaram qual raquete comprar, o que seria uma raquete ideal para eles, o que devem considerar na hora da compra e etc. Então decidi escrever para esclarecer essas dúvidas comuns do tenista iniciante.


Quando vamos a uma loja de materiais esportivos e de tênis, vemos inúmeras raquetes, de marcas diferentes, preços diferentes, formatos e tamanhos diferentes, pesos variados e etc. Então, a primeira coisa que fazemos é perguntar para a pessoa responsável pelo departamento qual raquete seria ideal para ele. Como o atendente não conhece o cliente, muitas vezes acaba oferecendo um material não tão adequado ao jogo e ao estilo do comprador. Dessa forma, é importante conhecer um pouco para chegar à loja sabendo o que está procurando. Todas as marcas têm raquetes boas e ruins, caras e baratas. O que define uma raquete ser boa ou não são várias características. Uma raquete boa para uma pessoa pode não ser boa para outra.

Então, como escolher a raquete ideal?!
A primeira coisa a fazer é definir quanto você quer gastar em uma raquete. Se o valor não fizer tanta diferença será mais fácil para você ter opções. Caso não queira gastar muito de início, uma boa opção são as raquetes usadas. Para quem faz aula, geralmente os professores tem raquetes usadas para indicar de outros alunos que mudaram seu material. Então seria um bom começo perguntar ao seu professor se o modelo à venda se encaixa no seu estilo de jogo, pois como seu professor te conhece, é fácil para ele fazer essa análise. No caso de raquetes usadas, encontramos modelos com diferenças de até 50% no valor do material novo. Em outros casos, os modelos usados não existem mais, pois saíram de linha, então o valor pode ser bem mais em conta. Outro detalhe: a raquete usada é uma boa opção para a pessoa que não quer investir muito, pois com o mesmo valor, ela só conseguiria comprar uma nova de qualidade inferior, podendo acarretar em vários prejuízos, tanto para o seu jogo quanto para o seu corpo. É sem dúvida uma ótima opção caso não queira investir muito, mas é preciso ficar atento ao material, pois a raquete pode estar quebrada ou trincada, e sendo assim, seria perda de dinheiro. Então, peça ao seu professor para analisar o material para você. Ele terá como te informar, pois arranhados são comuns e às vezes fica difícil diferenciar.

Escolhendo uma raquete nova
No caso de você não fazer aulas, ou não ter um lugar para comprar as raquetes usadas ou mesmo não querer uma usada, eis aqui alguns detalhes que você tem que saber para comprar um material novo:
Material ao qual a raquete é feita: Geralmente, as raquetes de melhor qualidade são feitas de fibra de carbono e grafite. O material é na verdade uma liga metálica que pode conter desde titânio até kevlar, que faz com que o material seja bem resistente e muito leve. Comparando com as raquetes do passado feitas de madeira, as raquetes atuais pesam bem menos, chegando até a 220gramas, enquanto as antigas pesavam cerca de meio quilo.
 

Peso da raquete: O peso da raquete interfere em muito no jogo. Um jogador iniciante pode se adaptar tanto com a raquete mais leve quanto com a mais pesada. Jogadores mais fortes ou que batem mais forte na boa se adaptam melhor as raquetes mais pesadas, enquanto os mais jovens ou mulheres que tem menos força preferem raquetes mais leves que os ajudam a expulsar a bola. Outra coisa que interfere na escolha do peso é o estilo do swing do jogador, explicado a seguir. (Swing e Peso estão interligados)
Swing: O swing é a amplitude do movimento do jogador na hora de efetuar o golpe. Alguns jogadores têm uma amplitude menor no movimento, o chamado Swing curto. Geralmente são os iniciantes, pessoas de mais idade, mulheres ou crianças na fase inicial do processo de ensino aprendizado. Para essas pessoas, o ideal é que a raquete ajude a gerar força na hora do golpe. Outros jogadores têm o swing moderado, são jogadores de nível iniciante a intermediário. Para eles, o ideal é uma raquete que não expulse muito a bola, que dê certo controle ao movimento, mas que não o limite, pois aqui a utilização do efeito ainda é limitada. E nos níveis mais avançados do jogo e para jogadores que praticam há mais tempo e que jogam com efeito, existem raquetes que auxiliam no swing longo. Essas dão bastante controle ao golpe, pois como a velocidade do movimento e a força aplicada são maiores, é preciso que o material forneça o controle necessário para manter a bola na quadra.
 

Tamanho da cabeça da raquete e o balanço: Juntamente ao peso e ao swing, o tamanho da cabeça da raquete e o balanço também interferem nessa relação potencia/controle. As raquetes que tem uma área de contato maior são muitas vezes facilitadoras da potência, enquanto as que têm a cabeça menor facilitam o controle. No caso do balanço, as raquetes têm um equilíbrio próprio, ou seja, elas podem ser mais pesadas no cabo, na cabeça ou serem totalmente equilibradas distribuindo o peso entre cabeça e cabo. As raquetes com peso na cabeça ajudam na potência dos golpes, enquanto a com peso no cabo dá mais controle ao movimento. Uma raquete considerada com cabeça pequena tem até 95 inches, com tamanho médio entre 96 e 105 in e as conhecidas como oversizes tem acima de 106 in. Já no caso do balanço, uma raquete com balanço até 315 mm pende para o cabo; balanço entre 315 e 325 mm é equilibrada; acima de 325 mm pende para a cabeça.
Obs.: Todos esses números aparecem nas raquetes, então é fácil identificar.
Corda:
No caso das cordas, temos a variação da tensão e do tipo da corda. A informação relevante inicialmente sobre cada tipo é que existem basicamente 3 a serem oferecidas nas lojas: as cordas de Nylon, Sintéticas e as de Poliéster. Elas variam basicamente em conforto (sintética é a mais confortável), durabilidade (poliéster) e custo mais baixo (Nylon). Para os iniciantes são recomendadas as de nylon ou sintéticas por causa do conforto.
Outra variação importante que pode ocorrer no caso das cordas é a tensão na qual elas são colocadas. As raquetes vêm com informações sobre as médias para utilização. A relação é que quanto menos tencionada as cordas, maior potência e conforto; quanto mais tensionada forem, maior controle. Então jogadores que usam muita força nos golpes, preferem usar uma tensão mais alta, para ter o controle desejado. Em contrapartida, quem não tem tanta potência ou tem como característica no jogo o excesso de controle e efeito, pode colocar uma tensão mais baixa para ajudar a ganhar potência.
Empunhadura: Entende se como a ‘’pegada’’ na raquete. No inglês temos o termo grip que é utilizado aqui também como referencia a empunhadura. Nas lojas de tênis temos como medir a nossa empunhadura na hora de comprar a raquete. Elas se dividem basicamente em 4: L1, L2, L3 e L4. A L1 é a empunhadura mais fina, para pessoas com mãos menores. A L3 é bem padrão e a mais utilizada.
Preço:
Existem raquetes novas de variados preços. Geralmente as mais caras são aquelas com melhores materiais. Como disse acima, todas as marcas tem raquetes boas e ruins, e, muitas vezes para confundir o consumidor, existem raquetes com desenhos similares da mesma marca com preços bem diferentes. Então é importante ficar atento ao material da raquete, pois possivelmente é isso que as diferencia. Existem raquetes desde R$80,00 até R$1200,00. A mais cara nem sempre é a melhor para você! Lembre-se dos detalhes acima que ficará mais fácil encontrar o modelo ideal. Hoje uma raquete boa (com material bom que destacam as características acima) varia entre R$ 300,00 e R$700,00. Algumas lojas vendem modelos que saíram de linha e esses às vezes tem um ótimo preço. De qualquer maneira, pesquisar sempre ajuda a achar o melhor preço!

Essas são informações relevantes na hora de comprar sua raquete. É claro que para quem está começando, nem tudo isso fará tanta a diferença. O mais importante é experimentar vários modelos para você ter como comparar para tentar encontrar o ideal para você. Pergunte ao seu professor sempre que tiver a chance, mas com as informações acima, fica muito mais fácil decidir na hora de comprar a raquete.

Um grande abraço a todos e qualquer dúvida é só perguntar!

Marco Antonio Vecchia


2 comentários:

  1. Muito legal o post, Marco! Esclareceu algumas dúvidas que eu tinha, principalmente sobre Swing e tipos de cordas.
    Como próxima postagem sobre esse assunto, acho que seria legal indicar alguma raquete específica, explicando as características dela de acordo com o que foi explicado nesse post. Vai fazer um pouco de propaganda para alguma marca, mas tem problema não... hehehe Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Fala, Marco! Tudo bom?

    Gostei muito do post sobre o modelo de raquete, pois informação é essencial e vc dissecou o assunto (aliás, creio que a ignorância sobre o "modelo ideal" deve ser usado para interesses comerciais em detrimento do desenvolvimento dos atletas e do esporte).

    Valeu pelas dicas e sucesso em seus projetos pelo esporte!!

    ResponderExcluir